Qual a diferença entre doenças cármicas e doenças ocasionais?


A medicina descreve em seus compêndios de patologia uma série de doenças diagnosticadas e tratadas mediante sofisticados recursos científicos e tecnológicos. Portanto, ela está devidamente equipada para tratar e curar inúmeros males orgânicos.

No entanto, há aquelas doenças mais complexas cuja cura não é possível, mesmo com todo o arsenal sofisticado da medicina vigente. São as doenças cármicas, de origem espiritual; portanto, doenças da alma. Na antiguidade, havia uma estreita relação entre a medicina e a espiritualidade. Tempos depois, houve uma ruptura entre essas duas áreas, e a ciência médica passou a ver e a tratar o ser humano de forma puramente organicista, evoluindo bastante como uma ciência materialista, mas excluindo a realidade espiritual do Ser.

Em vista disso, a medicina é capaz de curar as doenças circunstanciais, ocasionais, adquiridas pelo enfermo, mas não as doenças da alma - as cármicas -, que são inseridas no programa reencarnatório do Ser para sua aprendizagem, visando o progresso, a elevação moral de sua alma.

Desta forma, as doenças cármicas não são fortuitas, acidentais, mas já estava programado no Astral que o ser encarnado viesse a contraí-las no plano terreno. É importante ressaltar aqui que o ser encarnado veio com essa doença, ou a contraiu no decorrer de sua vida, por dívidas morais adquiridas ao infringir as leis divinas em vidas passadas. Há que se considerar que somos seres em evolução e, por conta disso, por ignorância, falta de esclarecimento, cometemos erros, abusos, injustiças a outrem em encarnações passadas. É a Lei do Retorno (ação e reação): Cada ação infringida contra o semelhante é revertida numa reação de igual intensidade que aparece na forma de dor, doenças, sofrimentos.

Não obstante, quero ressaltar que a finalidade do sofrimento causado pela doença cármica não é punitiva, mas sim educativa. Portanto, não é um castigo de Deus como muitos ainda acreditam, mas uma aprendizagem. Em verdade, o Ser precisa sentir na própria pele a dor que provocou no outro, a fim de reeducar-se para posteriormente, quando a vida o colocar numa situação semelhante àquela do passado, ele não repita os mesmos erros de outrora.

Neste aspecto, a reencarnação é a maior prova do amor incondicional do nosso Criador, pois se não houvesse a reencarnação, como iríamos reparar os erros cometidos no passado e, com isso, evoluirmos espiritualmente?

Se a medicina, na qualidade de ciência, cuida apenas do organismo biológico, como ficam as doenças da alma, do espírito? A T.R.E. (Terapia Regressiva Evolutiva) - A Terapia do Mentor Espiritual– Abordagem psicológica e espiritual breve canalizada por mim pelos Espíritos Superiores do Astral foi criada com o intuito de agregar a ciência psicológica e a espiritualidade. Se de um lado a ciência médica e psicológica (medicina, psicologia e psiquiatria) ainda ignoram, desqualificam o aspecto espiritual da enfermidade, do outro lado a espiritualidade, através de algumas religiões, mistifica e deturpa a realidade espiritual.

Na T.R.E. o mentor espiritual (ser desencarnado diretamente responsável pela nossa evolução espiritual) do paciente que, por conhecê-lo profundamente - pois vem acompanhando-o em várias encarnações - é quem irá revelar a causa de seus problemas, bem como sua resolução.

Nesta terapia, a regressão de memória é apenas um meio, um instrumento de autoconhecimento e cura para que o paciente possa saber a causa de seus problemas e, com isso, se libertar das amarras (bloqueios) de seu passado. Mas o fim em si dessa terapia é - através das orientações do mentor espiritual - o paciente se conscientizar, perceber se está seguindo ou não o seu verdadeiro caminho, ou seja, suas lições, aprendizagens, sua missão de vida na encarnação atual. A seguir, veja o caso de uma paciente que desde criança vivia em dentistas por ter problemas nas arcadas dentárias, que afetavam seus dentes e gengivas.

Após passar por essa terapia resolveu o seu problema bucal, bem como se conscientizou de sua missão de vida. Caso Clínico: Problema bucal. Mulher de 50 anos, casada. A paciente desde criança vivia em dentistas, chegando a se tratar com os melhores dentistas. No entanto, eles encontravam dificuldades em fazer ajustes nas arcadas dentárias (as arcadas não articulavam perfeitamente, não se encaixavam no ponto certo).

Sentia também dores nas costas por conta desse problema. Há dois anos vinha fazendo tratamento (sem sucesso) com o seu atual dentista, mas o profissional também não entendia, ficava intrigado por não conseguir ajustar corretamente a articulação mandibular. Ao regredir a paciente me relatou: Estou dentro de uma carruagem luxuosa puxada por um cavalo. Tem um homem que conduz essa carruagem. - O que você vê ao seu redor? - Peço à paciente. Parece uma cidade da Europa numa época antiga, mas não sei precisar uma data. Estou sozinha nessa carruagem (pausa). - Vá prosseguindo nessa cena - peço-lhe novamente. Vejo agora um grupo de crianças pedindo comida. Eu falo para o condutor acelerar, ignoro-as (pausa).

As ruas estão cheias de pessoas revoltadas, o povo grita falando que está com fome. Todos estendem as mãos pedindo comida. - Como você se sente? - Pergunto à paciente. Sou uma pessoa muito arrogante, uma aristocrata. Acho que sou uma princesa. Não tenho nenhum sentimento de compaixão por essas pessoas. - Vá prosseguindo nessa cena. Agora a carruagem entra num palácio e vejo o povo gritando e invadindo a minha residência, onde moro com os meus pais.

Estão querendo pegar a minha família. Estão revoltados com a injustiça, porque vivemos num luxo, e eles não têm o que comer.

Eles pegam todos dentro do palácio. Parece que sou jovem ainda... (paciente chora, tossindo bastante). Acho que levei um tiro no peito.

O palácio fica na Rússia. Estava no pátio, no jardim, e eles me pegaram e me executaram. O mesmo ocorreu com os meus pais. - Veja o que acontece com você após sua morte - peço à paciente. Agora me vejo no vácuo. Escuto uma voz que me fala que na próxima encarnação (atual) tenho que saber articular melhor o uso do poder, através das palavras, distribuindo melhor o conhecimento, o amor. Essa voz diz ainda que, sabendo articular tudo isso, irá acabar o problema da minha articulação dentária. É uma voz feminina. - Pede para ela se identificar. “Ela diz que é a mãe Bodhisattva Kwan Yin (deusa da compaixão, em chinês). Ela é a minha mentora espiritual (paciente chora, emocionada).

Ela me explica que pelo fato de ter vivido nessa vida passada de maneira fútil, sem me preocupar com o povo, vim na encarnação atual com esse problema bucal para aprender a olhar as pessoas ao meu redor com respeito e compaixão, ajudando-as. Portanto, a minha missão é ajudar a todos, o que não fiz nessa vida passada”. - Que tipo de ajuda?- Pergunto à paciente “Mostrar caminhos às pessoas que me cercam, com amor e compaixão.

Revela ainda que se não fizer isso na vida atual irei ficar também com o pescoço travado (A mentora esclarece que nessa vida passada não olhava para ninguém ao meu redor). Mas me tranqüiliza dizendo que isso não irá acontecer porque estou no caminho certo - entendi e aceitei a minha missão (paciente vem ajudando muita gente com trabalhos sociais, assistenciais, bem como seus familiares, amigos, parentes e funcionários).

Diz para não me preocupar, que esse problema dentário será resolvido. Pede sempre para eu imaginar “jogando” o manto sagrado dela nas pessoas carentes e necessitadas. Com isso, elas irão receber as vibrações de amor, compaixão e do perdão (pausa).

Agora ela está jogando seu manto em cima de mim, e fala que estará sempre comigo (pausa). Ela me diz: ‘Deus te abençoe’! ‘Você está curada’! Está me dando uma flor que nunca vi, não existe na Terra.

Pede para colocar essa flor no meu coração. Estou me sentido emocionada (paciente chora muito).

Pede ainda para compartilhar essa alegria, o amor que estou sentindo, com todas as pessoas ao meu redor.

Esclarece que naquela encarnação vim como princesa para ajudar o meu povo e, como não fiz isso, preciso agora cumprir essa missão. É por isso que desde criança me destacava na liderança com outras crianças para ter a oportunidade de desempenhar essa missão. Fala que eu vinha desempenhando-a muito bem, mas tive uma recaída. Ela me recorda que antes de me aposentar tive um convite para ser gerente geral na empresa onde trabalhava, mas que não aceitei, não quis por ter medo do poder.

Revela que o cargo que recusei fazia parte dessa missão para usar o poder, desta vez, para a melhoria de todos.

Eu falo para minha mentora que não sabia que esse cargo era para me redimir pelo erro cometido naquela vida passada, enquanto princesa. (Paciente chora). Em vez de aceitar, fiz um acordo com a empresa e pedi para me aposentar.

Ela fala que a empresa precisava de mim (pausa). Acho que fui egoísta novamente, mas estava sentindo muito cansada (relata chorando). A mãe Kwan Yin me diz que sempre é tempo para remediar”. - Pergunte para ela como você pode remediar? - Peço à paciente. “Trabalhando com amor e compaixão, mostrando às pessoas o caminho certo”.

A paciente me disse que atualmente trabalha na empresa de seu marido. Na 4ª sessão de regressão (última sessão) a ela me disse estar muito feliz e que, desta vez, seu dentista conseguira resolver o problema bucal ajustando corretamente sua articulação mandibular.




211 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo