Você sofre de ataque espiritual?


A obsessão espiritual é tão sutil, imperceptível (o ser espiritual obsessor se aproveita de sua condição de invisibilidade para prejudicar o obsidiado) que, na maioria dos casos, o obsidiado não percebe que está sendo atacado pelo seu desafeto espiritual (ser desencarnado, que o obsidiado prejudicou de alguma forma no passado - seja nesta ou em outras vidas). Portanto, o(a) obsessor(a) espiritual movido(a) a ódio e desejo de vingança, quer a qualquer custo revidar o mal que sofreu do obsidiado, atacando-o, podendo levá-lo - em casos mais extremos -, à loucura (os hospitais psiquiátricos estão cheios de casos de obsessão espiritual) ou mesmo à morte. No entanto, lamentavelmente, os profissionais da área de saúde (médicos, psicólogos e psiquiatras) ainda ignoram essa grave enfermidade da alma, fruto de sua formação acadêmica organicista, materialista, que desconsidera o aspecto espiritual do paciente. Faço um apelo - através desse artigo - que os profissionais de saúde que trabalham em seus consultórios, ambulatórios, postos de saúde, pronto-socorro e, principalmente, nos hospitais psiquiátricos, deixem de lado os preconceitos, a incredulidade, e escutem atentamente o que o paciente tem a dizer. O próprio manual de estatística de desordens mentais da APA (Associação Americana de Psiquiatria) - DSM V - alerta que o médico deve tomar cuidado para não diagnosticar de forma equivocada (como alucinação ou psicose), casos de pessoas de determinadas comunidades religiosas que dizem ver ou ouvir espíritos de pessoas mortas, porque isso pode não significar uma alucinação ou loucura. Por isso, é preciso fazer um diagnóstico diferencial entre um distúrbio mediúnico e um distúrbio psiquiátrico propriamente dito. Em minha experiência no consultório, ao conduzir mais de 50.000 sessões de regressão, através da TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) - A Terapia do Mentor Espiritual - ser desencarnado de elevada evolução espiritual, responsável diretamente pela nossa evolução espiritual, abordagem psicológica e espiritual breve, sistematizada por mim -, constato que, em 95% dos casos atendidos, se a causa espiritual (ataques espirituais) não for o fator determinante do problema do paciente, é, sem dúvida alguma, um fator agravante, sendo que, em apenas 5%, a causa é puramente psicológica, não havendo, portanto, nenhuma interferência espiritual obsessora, na origem de seu problema. Para o público leigo, ou mesmo para os incrédulos, a obsessão espiritual, ou seja, os ataques espirituais, podem ser algo longínquo ou distante de sua realidade, mas na minha prática clínica, não o é; pelo contrário, trata-se de uma rotina diária.


Diariamente, atendo em meu consultório, pacientes portadores de obsessão espiritual, ou seja, que sofrem de ataques espirituais. Veja em meu livro “Ataques espirituais - O inimigo oculto” (pode-se encontrar no site do Amazon), onde esclareço detalhadamente à minha experiência com os seres espirituais obsessores de meus pacientes e os benefícios dessa terapia na cura de seus problemas, cuja causa é, em sua maioria, de origem espiritual.


Por conta desse trabalho com a realidade espiritual, ou seja, com as manifestações espirituais obsessoras, provocando inúmeras patologias em meus pacientes, deixei de ser psicólogo (essa é a minha formação acadêmica) e, hoje, trato, não só dos transtornos psicológicos, mas, sobretudo, dos transtornos espirituais, as doenças da alma de meus pacientes. Em verdade, com a TRE busco resgatar o sentido original da palavra terapeuta, que, na Grécia antiga, era “aquele que conduz até Deus". Não por acaso, que prescrevo a oração do perdão, para que o paciente possa orar de coração aberto e irradiar muita luz ao seu obsessor espiritual, seu desafeto espiritual, e, com isso, ele possa ser auxiliado pelos seres de luz amparadores e ser levado à Luz. Desta forma, a única terapêutica a ser aplicada em casos de interferência espiritual obsessora é a reconciliação, para que ambos - obsessor e obsidiado -, possam se perdoar e se libertar definitivamente de seu passado. Nessa terapia, sem dúvida alguma, o amor e o perdão realmente libertam. Quero ressaltar, entretanto, que essa terapia não partiu de nenhum pressuposto teórico, mas da observação sistemática, diuturna dos relatos de meus pacientes em mais de 50.000 sessões de regressão (conforme mencionei acima); portanto, essa terapia é independente, desvinculada de quaisquer instituição, religião, seita ou grupo espiritualista, pois, entendo que, quando o ser humano se apega exclusivamente a algo, limita-se e tende a cercear sua liberdade de pensamento, como espírito em evolução que é.


Em minha expertise com os pacientes obsidiados, você pode estar sofrendo um assédio espiritual quando apresenta o seguinte quadro clínico:


1) Humor instável, mudança repentina de humor, sem causa aparente;


2) Pressão ou dor na nuca, peso nos ombros, costas (é importante que o paciente faça todos os exames necessários para descartar uma causa orgânica);


3) Medo de dormir no escuro, insônia, pesadelos frequentes, sono intranquilo;


4) Pensamentos negativistas ou suicidas constantes;


5) Vida bloqueada e medos infundados;


6) Problemas físicos, sem origem orgânica, após realizar os exames necessários. Se todos ou alguns desses sintomas, acima mencionados, estiver acontecendo com você (obviamente, é preciso levar em consideração que cada caso é um caso, pois, nem sempre esse quadro clínico caracteriza um ataque espiritual), são fortes os indícios de que você pode estar sendo atacado espiritualmente. Os ataques espirituais podem também ser a causa primária ou secundária (agravante) dos transtornos de humor (depressão, transtorno bipolar), transtornos de ansiedade (síndrome de pânico, fobias, TOC - transtorno obsessivo compulsivo, ansiedade generalizada), distúrbios psiquiátricos graves (esquizofrenia, psicose), doenças orgânicas de causa desconhecida pela medicina, dificuldades financeira/profissional constantes e problemas de relacionamento interpessoal. Caso Clínico: Medo de dormir sozinha.

Mulher de 31 anos, solteira. A paciente veio ao meu consultório, porque não conseguia dormir sozinha (dormia com a mãe no mesmo quarto), pois, desde criança, sempre que dormia sozinha, tinha pesadelos constantes e sentia que era atacada por um ser espiritual das trevas. Com isso, acordava gritando e chorando.


Queria entender também por que os seus relacionamentos amorosos não davam certo? Recentemente, seu noivo a abandonara para ficar com outra mulher. Com isso, vinham pensamentos suicidas e o desejo de se vingar dele. Após ter passado por 2 sessões de regressão, na 3ª sessão, ela me relatou: - Tenho a impressão de que tem uma presença espiritual boa aqui no consultório (nessa terapia, em muitos casos, o paciente não vê os seres espirituais, mas, intui, sente suas presenças). Sinto que esse ser espiritual é um homem. (pausa).


Ele diz que é o meu mentor espiritual (paciente também intui a comunicação com o ser espiritual, que ocorre de forma intuitiva, em pensamento). Ele fala que quer ajudar a me libertar de meu medo. Terapeuta: - Medo do quê?


Paciente: - Diz que tenho medo de ver espíritos, e que isso vem de uma outra vida. (pausa). Ele fala que matei uma pessoa, nessa vida passada, e a enterrei no quintal de uma casa... Vejo, agora, um lugar escuro (trevas)... Vejo um homem com capa preta e ele me diz que vai me perseguir. (pausa).

Acho que o matei... Ele diz que quer se vingar de mim. Diz ainda que o matei porque o amava...


Na verdade, eu o matei porque ele me traiu. Fala que não vai me deixar em paz. Vejo, agora, outra cena... vejo que o enterrei no quintal da casa, onde eu morava nessa vida passada. Está chovendo e choro muito.


Estou sozinha, eu o enterrei com muito ódio porque ele me traiu. (pausa). É o mesmo ódio que sinto na vida atual, quando o meu noivo me trocou por outra mulher. (pausa).


É esse ser espiritual (obsessor espiritual) que hoje me faz sentir medo de ver espíritos, quando durmo sozinha. Os pesadelos se originam pela presença dele; ele me ataca enquanto durmo. Ele está me dizendo novamente, que não vai me deixar em paz. Eu, agora, me vejo enterrando o seu corpo... Na verdade, eu o apunhalei, mas ele não morreu e acabei enterrando-o vivo (paciente fala chorando). Eu me vejo brigando com ele, pego uma faca na cozinha e a enfio nas costas dele.


Após tê-lo enterrado, dias depois, ele começou a me assombrar, ficava me assustando nessa vida passada, quando dormia. Tinha pesadelos constantes, não conseguia dormir direito, ele me assustava, eu escutava sempre alguém subindo à escada dessa casa. Ele diz que tem muito ódio de mim. Terapeuta: - Pergunte-lhe se ele sabe em que ano ocorreu essa vida passada?


Paciente: - Diz que foi em 1898. Fala que, desde essa época, vem me acompanhando em espírito. Ele me fala xingando... Agora, estou vendo um olho (é desse ser espiritual obsessor), me dá medo (nessa terapia, os seres espirituais obsessores costumam se apresentar ao paciente mostrando o seu rosto ou parte dele, um par de olhos ou um olho). Terapeuta: - Você quer dizer algo para esse ser espiritual obsessor?


Paciente: - Quero que ele me perdoe por ter tirado sua vida, que vá para a luz (fala chorando). Aproveitando desse momento, pedi à paciente para que juntos, fizéssemos a oração do perdão, irradiando luz para esse ser espiritual obsessor. Após a oração, ela me disse: - Agora, estou vendo-o sendo resgatado por dois seres de luz... Eles estão o levando embora em direção a uma luz maior. Estou me sentindo bastante aliviada... O meu mentor espiritual está me dizendo que, agora, podemos encerrar o nosso trabalho terapêutico. Na sessão seguinte (4ª e última), a paciente me relatou: - Sinto novamente a presença de meu mentor espiritual... Agora, consigo vê-lo: ele é calvo, narigudo, usa uma túnica branca. Ele está me dizendo que a vida atual é a nossa última oportunidade para ficarmos juntos, que vem me acompanhando há três existências, mas, revela que, na próxima encarnação, virá no lugar dele uma mentora espiritual, que será ela a cuidar de mim.


Conclusão:


Ele está me dizendo, que, a partir de agora, aquele ser espiritual obsessor vai me deixar ser feliz com outro homem, pois, era ele que estava boicotando, sabotando os meus relacionamentos afetivos, mas, finalmente entendeu que tenho que ser feliz.

O meu mentor espiritual está me abraçando, fala que eu soube tudo que tinha de saber nessa terapia. Ele está agradecendo ao senhor pelo trabalho desenvolvido aqui no consultório, e diz que a minha vida daqui para frente irá melhorar... Está se despedindo, indo embora.




95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo